Ícone de Contato Contato
(31) 2105-8000

Ícone do WhatsApp WhatsApp
(31) 99796-1540

AUTOPSIA MOLECULAR FETAL diagnóstico conjunto de doenças cromossômicas + doenças gênicas

AVANÇOS NA MEDICINA GENÉTICA MATERNO-FETAL/2018


AUTÓPSIA GENÉTICA MOLECULAR EMBRIONÁRIA, FETAL ou PERINATAL

(diagnóstico conjunto de doenças cromossômicas + doenças gênicas)



A Autópsia Molecular, em amostra post-mortem obtida na fase embrionária, fetal ou perinatal, é uma nova e completa forma de investigação genética para avaliar alterações cromossômicas e também doenças gênicas Mendelianas letais/severas, que levam ao óbito in utero ou logo após o nascimento.


Entre as alterações cromossômicas testadas na Autópsia Molecular estão trissomias completas ou parciais, monossomias, triploidia, tetraploidia, translocações não-balanceadas, deleções e microdeleções, duplicações e microduplicações, isodissomias uniparentais e mosaicismo. Mas é relevante realçar que também são analisadas TODAS as possíveis doenças gênicas para tentar detectar mutações em TODOS os cerca de 20 mil genes humanos, o que amplia de forma exponencial a chance de se desvendar a causa mortis. A associação dos dois tipos de diagnóstico – cromossômico e gênico – é uma grande contribuição da Autópsia Genética Molecular à Medicina Materno-Fetal.


A Autópsia Molecular é um exemplo da medicina de precisão nas áreas pré-natal e perinatal: o diagnóstico molecular é usado como guia da interpretação fenotípica, expandindo o alcance diagnóstico para situações com fenótipo distinto do “típico”, diferente do fenótipo esperado (reverse phenotyping). E para situações nas quais a morte muito precoce, in utero, não permite acesso a nenhuma informação fenotípica.


Muitas perdas gestacionais ocorrem antes que detalhes fenotípicos informativos possam ser visualizados em exames ultrassonográficos. Sem informações fenotípicas e sem as informações genéticas completas (cromossômicas e gênicas) que a Autópsia Molecular agora possibilita, ficaria impossível tranquilizar o casal sobre o seu futuro reprodutivo de uma forma científica e precisa.


A Autópsia Molecular tem também especial relevância quando há aparente ausência de evidências da causa mortis ou quando não são vistas anormalidades específicas que justifiquem o óbito.


Por exemplo, uma hidropsia fetal não-imune, sem diagnóstico após a realização dos testes convencionais, era antes o “fim de linha” da pesquisa diagnóstica de muitas patologias com prognóstico pobre, reservado. Esta situação, indefinida, não permitia o cálculo de risco de sua recorrência em gravidezes futuras do casal. Agora, a realização da Autópsia Molecular mudou isto e ela será de grande valia para a vida reprodutiva do casal.


Amostra: líquido amniótico, vilos coriais, sangue de cordão em EDTA, fragmentos de cordão umbilical ou restos placentários/ovulares fixados em álcool. NÃO USAR FORMOL.


Nota: Não havendo amostra biológica embrionária ou fetal para ser analisada, é indicado e possível obter informações relevantes pelo estudo do DNA do próprio casal (favor consultar o valor do teste para o casal). Ref.: Genetics in Medicine, Scientific Report, doi:10.1038/gim.2017.111

Ícone Material

TIPO E QUANTIDADE DE MATERIAL

líquido amniótico, vilos coriais, sangue de cordão em EDTA, fragmentos de cordão umbilical ou restos placentários/ovulares fixados em álcool. NÃO USAR FORMOL.


Nota: Não havendo amostra biológica embrionária ou fetal para ser analisada, é indicado e possível obter informações relevantes pelo estudo do DNA do próprio casal (favor consultar o valor do teste para o casal)

Ícone Prazo

PRAZO DE ENTREGA

aproximadamente 90 dias